voltar
Pesquise sobre nossas escolas, notícias, portais e páginas.
(apague o campo para eliminar a pesquisa.)

Seduc e Fundação Telefônica apresentam projeto Pense Grande para as escolas-piloto que aderiram ao Programa de Apoio ao Novo Ensino Médio

Por Ítalo Marcos
- 22/05/2019 15:19:00
465 acessos imprimir

 

 

Projeto visa fomentar a cultura do empreendedorismo de impacto social com o uso de tecnologia para jovens a partir de 15 anos

 

Por Ítalo Marcos

 

As 38 escolas-piloto da rede estadual de ensino que aderiram, por meio da Portaria 649 de 10 de julho de 2018, ao Programa de Apoio ao Novo Ensino Médio, participaram de um encontro onde foi apresentado o Projeto Pense Grande, promovido pela Fundação Telefônica. A apresentação foi realizada na manhã de terça-feira, 22, no auditório Maria Hermínia Caldas, na sede da Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) e contou com a presença dos gestores das unidades de ensino. Na manhã desta quarta-feira, 22, no auditório do Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS), foi realizado o encontro de co-criação, com a participação de instituições parceiras, que teve como objetivo fazer uma reflexão sobre as melhores estratégias para atingir o objetivo do projeto dentro das escolas de ensino médio.

 

 

O projeto Pense Grande visa difundir a cultura do empreendedorismo de impacto social com tecnologia digital para os jovens no Brasil. Na escola, o programa vai desenvolver, nos participantes, habilidades para o mundo do trabalho, com foco na transformação social. O superintendente executivo da Seduc, professor Ricardo de Santana, esteve presente no encontro de co-criação, e falou sobre a importância desse projeto para os estudantes.

 

"É importante para que haja uma formação complementar do aluno. Depois de formado, ele pode seguir alternativas como buscar um emprego ou tomar, ele mesmo, uma iniciativa empreendedora. É importante que isso já surja desde a época da formação escolar. Muitas vezes a gente forma o aluno com todo aquele conteúdo acadêmico e depois, quando ele vai para o mercado, precisará dessa cultura de empreendedorismo", afirmou.

 

A professora Joniely Cheyenne, coordenadora do Serviço de Ensino Médio da Seduc, destacou que essa é uma oportunidade de pensar como seria a proposta de empreendedorismo social dentro das escolas. "É um momento de aprendizado para que a gente possa entender essa perspectiva do Pense Grande e como esse projeto pode contribuir, tanto para a formação do professor, como dos nossos jovens. É importante a gente aprender sobre a questão do empreendedorismo educacional como uma ferramenta de transformação social para esses jovens. Então essa é uma oportunidade para a gente se apropriar desses conhecimentos, visto que a Fundação Telefônica tem essa expertise, e multiplica-los na rede estadual de ensino. Acredito que todos vão se sentir confortáveis compartilhando dessa iniciativa", disse.

 

Encontro de co-criação

 

O encontro de co-criação contou com a participação de instituições parceiras, como o Sebrae, Universidade Tiradentes, Sergipitec, Fapitec, entre outras. A reunião foi conduzida por representantes da Fundação Telefônica e teve como público coordenadores, diretores e estudantes das escolas-piloto. A representante da Instituto Conhecimento para Todos, Mônica Mandaji, explicou que o processo de co-criação é um momento que traz alguns elementos da base da metodologia Pense Grande, para que os envolvidos possam discutir como implantar a metodologia dentro de sala de aula. "Cada local tem sua especificidade. A gente traz desafios e questionamentos e o grupo vai discutindo como colocar isso dentro da unidade de ensino. A formação do Pense Grande está em consonância com a linha de competências e habilidades da Base Nacional Comum Curricular e trabalha a questão de fazer com que o jovem olhe para o projeto de vida e pense no que ele quer fazer de diferente para a sociedade", disse.

 

Os representantes das instituições parceiras foram unânimes ao elogiar a iniciativa. Foi o caso de Paulo do Eirado Dias, superintendente executivo do Sebrae. "O empreendedorismo deveria ser uma atividade permanente na educação. Olhando isso com o viés de educador, temos uma grande chance para a melhoria da educação em geral e principalmente em benefício dos alunos. Estamos incentivando os alunos a construírem o seu projeto de vida, a aprenderem a fazer escolhas, ter visão de longo prazo, ter resiliência e um repertório mais rico de motivações", afirmou.

 

O professor Domingos Sávio de Alcântara Machado, diretor de Inteligência Competitiva do Grupo Tiradentes, ressaltou os benefícios da parceria entre a Seduc e a Fundação Telefônica em prol dos alunos. "Quanto mais cedo a gente levar a cultura do empreendedorismo, melhor para formarmos cidadãos. Temos que entender que não teremos emprego para todo mundo. Então quando se trazemos a cultura do empreendedorismo para dentro da sala de aula, vamos desenvolvendo algumas habilidades que fazem com que os alunos progridam", declarou.

 

A aluna Nathalia Oliveira Santos, do Colégio Estadual João Batista Nascimento, em Nossa Senhora do Socorro, foi uma das estudantes que participaram do encontro. "Esse programa faz com que a gente veja que a escola é um lugar onde a gente pode aprender coisas novas. A gente tem que empreender mesmo, e essa nova metodologia estará nos preparando para o futuro", afirmou.

 

A professora Maria Nilza de Santana, do Colégio Estadual Delmiro de Miranda Brito, em Canindé do São Francisco, participou do encontro pela primeira vez e foi se inteirar sobre o programa Pense Grande. "O Novo Ensino Médio é uma realidade e a nossa unidade de ensino é uma das escolas-piloto. Desde muito nova eu sentia falta, na escola, de aula de educação financeira. O empreendedorismo não passa apenas pelo ganho de dinheiro, mas pelo projeto de vida do aluno. Então é importante já ter essa base desde o colégio. Vai ser primordial para os estudantes", declarou.

 

Quem também destacou a importância de os jovens empreenderem foi o professor Ronald Campos Santos, do Colégio Estadual Emiliano Guimarães, em Malhada dos Bois. "O principal ponto é fomentarmos o sonho dos nossos alunos e mostrar para eles que existem outros caminhos além do concurso público ou uma profissão pré-determinada", disse.

 

O encontro de co-criação contou ainda com a presença de Fredson Santana, coordenador estadual da Juventude da Seduc, de Ana Flávia Menezes, coordenadora executiva da Fapitec, entre outros representantes de instituições convidadas.

 

Apresentação do Pense Grande

 

A apresentação do Projeto Pense Grande, da Fundação Telefônica, foi realizada na manhã de terça-feira, 21, na sede da Seduc. As 38 escolas-piloto têm o prazo até o dia 31 de maio para aderirem ou não ao programa. Ainda durante a apresentação, foi realizada uma interação através do jogo intitulado "Se Vira", em que os participantes fizeram uma dinâmica visando pensar o que é empreendedorismo.

 

A professora Leila Nascimento esteve presente e destacou que há, cada vez mais, a necessidade de os jovens serem protagonistas. "A escola é o ambiente onde a gente pode estar desenvolvendo isso. O empreendedorismo abre horizontes para os alunos, que muitas vezes não

sabem exatamente o que podem alcançar na vida deles através da escola.

Essa ideia vai dar uma abertura nos horizontes desses jovens", disse.

 

José da Silva Júnior, diretor da Escola Estadual Olavo Bilac, também participou. Para ele, a juventude necessita se engajar nesse tipo de atividade. "O empreendedorismo é uma forma de os alunos desenvolverem suas habilidades para montar o seu próprio negócio, ajudar a família. Pessoas que necessitam empreender até para melhorar a sua qualidade de vida, e a autoestima. Na nossa escola, temos alguns alunos com esse perfil empreendedor. Estou sentindo que vamos fazer a diferença. O Novo Ensino Médio vai dar o protagonismo aos nossos alunos", afirmou.

 

A mesma opinião foi compartilhada por Dayvid Dênis, diretor do Colégio Estadual Professora Ofenísia Freire. "Com as práticas educacionais que construímos, o aluno está hoje no porte de protagonista. O estudante que tenha a capacidade e o auxílio, desde os anos iniciais da escola até o ensino médio, terá um caminho a seguir para a inserção no mercado de trabalho. Isso é excelente para os alunos da escola pública de Sergipe", declarou.